A canadense Ellie Black conseguirá mais uma virada na ginástica?

Este é um trecho do The Buzzer, que é o boletim eletrônico diário da CBC Sports. Fique por dentro das notícias esportivas assinando aqui.

Ontem, em Liverpool, na Inglaterra, cinco canadenses fizeram história ao conquistar a primeira medalha de seu país em competição por equipes no Campeonato Mundial de Ginástica. o bronze surpreendente por Ellie Black, Laurie Denommee, Denelle Pedrick, Emma Spence e Sydney Turner também garantiram ao Canadá uma vaga no evento por equipes femininas nas Olimpíadas de 2024.

Os canadenses certamente se beneficiaram da ausência da atual campeã olímpica Rússia, cujos atletas estão banidos da ginástica internacional devido à invasão da Ucrânia. Mas eles merecem todos os pontos por subirem ao pódio do campeonato mundial depois que o Canadá não conseguiu chegar à final por equipes nas Olimpíadas do ano passado e depois se classificou para esta como o oitavo e último classificado. A medalha de bronze é a primeira medalha de qualquer tipo do Canadá nos campeonatos mundiais de ginástica (realizados todos os anos, exceto anos olímpicos) desde que Shallon Olsen e Ana Padurariu conquistaram as medalhas de prata individuais em 2018.

Mais medalhas podem estar reservadas para o Canadá antes que a competição termine no domingo? Tudo depende de Black, o único canadense a se classificar para uma das finais restantes. Além da final do individual geral feminino de quinta-feira, a jovem de 27 anos de Halifax ganhou uma vaga em duas das quatro finais do aparelho feminino: salto de sábado e trave de equilíbrio de domingo.

ASSISTA | A rotina de traves de Ellie Black garante medalha de bronze histórica para o Canadá:

Ellie Black conquista medalha histórica por equipe para o Canadá em campeonatos mundiais de ginástica

A rotina de trave de equilíbrio de Ellie Black garantiu a medalha de bronze do Canadá, sua primeira medalha mundial no evento por equipes e uma vaga no evento nas Olimpíadas de Paris de 2024.

Embora os resultados de qualificação de Black não sejam um bom presságio para suas chances de pódio (ela ficou em 11º no geral, sexto no salto e oitavo na trave), não conte com a ginasta feminina mais bem sucedida na história canadense. Black ganhou a medalha de prata geral no campeonato mundial de 2017 em Montreal – tornando-a a única canadense a medalhar em um geral no campeonato mundial – e ficou em quarto lugar em 2019. Ela também ganhou títulos gerais nos Jogos da Commonwealth e Pan-Americanos (duas vezes) e ficou em quinto lugar nas Olimpíadas de 2016. Em Tóquio, no ano passado, Black desistiu da final olímpica do polivalente após agravar uma lesão no tornozelo durante o treino. Mas ela voltou alguns dias depois para a final da trave de equilíbrio e conquistou um ousado quarto lugar.

O jogo de trave das pretas também parece sólido no momento, já que sua rotina sólida na rotação final sob pressão na final por equipes ontem garantiu ao Canadá a medalha de bronze. Na final da trave de equilíbrio individual, Black não terá que enfrentar a estrela norte-americana Simone Biles, que a venceu na medalha de bronze nas Olimpíadas do ano passado. Biles está em hiato indefinido do esporte após seus problemas mentais em Tóquio. Também está ausente o medalhista de ouro olímpico geral Suni Lee, dos Estados Unidos, que está tirando um ano de folga das competições de elite.

A final geral feminina de quinta-feira começa às 14h45. Assista ao vivo no CBCSports.ca, no aplicativo CBC Sports e no CBC Gem.